Ocupações irregulares na falta de um projeto habitacional para Petrolina

Historicamente, Petrolina nunca teve um programa que de fato resolvesse a questão habitacional na cidade. As inúmeras ocupações causadas pelo inchaço populacional, consequência de propagandas bem elaboradas para atrair investidores para a área irrigada, tornou -se também, um grande problema social, o qual passou a ser visto pela elite dominante mais como uma oportunidade de manter o poder oligárquico.

Visto pelos que vislumbravam no projeto de irrigação uma grande oportunidade de ganhar muito dinheiro, ao se tornar o pólo de produção da fruticultura irrigada do Vale do São Francisco, Petrolina já havia atraído não apenas investidores nacionais e internacionais, mas também milhares de famílias que, em busca de empregos e oportunidades, se deslocaram de seus estados e cidades e se acomodaram do jeito que puderam: em barracos de madeira, papelão e lonas ou pagando aluguéis em pequenos casebres.

Das gerações que assim surgiram, não conheceram um programa sério de habitação, somente o fato de se submeterem ao clientelismo imposto pelos coronéis de Petrolina e/ou fazendo economias para conquistar o direito à moradia, sendo que, mesmo comprando de terceiro muitos ainda não têm termos de posse de seus terrenos.

Em um das gestões municipais que parecia ter quebrado a hegemonia política da tradicionalíssima família Coelho, com o programa minha casa, minha vida, criado no governo Lula, Petrolina foi contemplada, através do então prefeito Julio Lóssio com mais de 14,mil habitações das quais favoreceram milhares de famílias em situação de extrema pobreza.

Atualmente com o crescente índice de desemprego e a constante busca pela sobrevivência, centenas de famílias que ainda não têm moradias, se veem obrigadas a sair do aluguel e tentar, nem que seja através de ocupações irregulares, minimizar os custos de vida para garantir pelo menos a sua alimentação. É o que tem acontecido a mais de dez famílias que ocupam uma área no bairro João de Deus.

O último plano diretor da cidade de Petrolina foi elaborado em 2006, mas quase nada do que foi proposto a respeito da habitação foi realmente cumprido pelo poder Executivo. Atualmente o plano diretor está sendo reformulando e vai pensar o município de Petrolina para os próximos dez anos. E aí queremos saber: como ficarão estas famílias dentro deste novo planejamento?