1000 acadêmicos americanos Dizem Não a Jair Bolsonaro

A petição foi endossada por acadêmicos proeminentes e estudantes das principais universidades dos Estados Unidos

Mais de mil acadêmicos americanos das áreas de história, ciências sociais, literatura, cultura e ciências assinaram a declaração “Defenda a democracia no Brasil: diga não a Jair Bolsonaro”, que diz em parte “queremos expressar nosso crescente alarme diante da iminente ameaça presente na eleição de Jair Bolsonaro para a presidência em 27 de outubro de 2018. Seu programa de extrema-direita radical reflete uma perigosa tendência internacional da eleição de políticos extremamente conservadores que conquistaram o poder estatal nos últimos anos.”

A petição foi endossada por acadêmicos proeminentes e estudantes das principais universidades dos Estados Unidos — Harvard, Yale, Princeton, Brown, Stanford, Universidade de Chicago, Berkeley, etc.– por professores e alunos das universidades estaduais mais importantes do país, e por acadêmicos em faculdades e universidades menores, representando 200 universidades em 38 estados dos Estados Unidos da Califórnia à Flórida, e do Texas ao Maine. Ativistas e brasileiros que estudam e trabalham nos Estados Unidos também apoiaram a declaração pública.

A petição conclui afirmando que as “políticas propostas por Bolsonaro poderiam significar o fim de todos os benefícios políticos, sociais, econômicos e culturais das últimas quatro décadas liderados por movimentos sociais e políticos progressistas para consolidar e expandir a democracia no Brasil.

Jair Bolsonaro deve ser parado! Em defesa da democracia brasileira, dizemos: Ele não!

Para mais informações, entre em contato com os iniciadores da petição:

Sidney Chalhoub, Harvard University <chalhoub@fas.harvard.edu>

James N. Green, Brown University, <james_green@brown.edu>

Myriam Marques, Defend Democracy in Brazil/ New York <myriamsm@gmail.com>

Keisha-Khan Perry, Brown University <keisha-khan_perry@brown.edu>

Texto da Petição:

Defend Democracy in Brazil: Say No to Jair Bolsonaro!

We, the undersigned, academics, activists, and others, Brazilians and non-Brazilians, people living, working, and studying in the United States, wish to express our growing alarm at the imminent threat of Jair Bolsonaro’s election to the presidency on October 27, 2018. His radical far-right program reflects a dangerous international trend of the election of extremely conservative politicians who have gained state power in recent years.

Bolsonaro’s explicitly defends the Brazilian military dictatorship that ruled the country from 1964-85 and praises torture and torturers. He denigrates human rights efforts. He has expressed aggressive and vile hostility toward women, people of African-descent, the LGBT community, indigenous people, and the poor. His proposed policies could mean the end to all of the political, social, economic, and cultural gains of the last four decades led by social movements and progressive politicians to consolidate and expand democracy in Brazil.

Jair Bolsonaro must be stopped!

In defense of Brazilian democracy, we say: Ele não / Not him!

Nós, abaixo-assinados, acadêmicos, ativistas e outros, brasileiros e não-brasileiros, pessoas que vivem, trabalham e estudam nos Estados Unidos, queremos expressar nossa crescente preocupação com a ameaça iminente da eleição de Jair Bolsonaro para a presidência em 27 de outubro de 2018. Seu programa de extrema-direita radical reflete uma perigosa tendência internacional da eleição de políticos extremamente conservadores que conquistaram o poder estatal nos últimos anos.

Bolsonaro defende explicitamente a ditadura militar brasileira que governou o país de 1964-85 e elogia a tortura e os torturadores. Ele denigre os esforços pelos direitos humanos. Ele expressou hostilidade agressiva e vil em relação às mulheres, afrodescendentes, a comunidade LGBT , os povos indígenas e os pobres. Suas propostas políticas poderiam significar o fim de todos os benefícios políticos, sociais, econômicos e culturais das últimas quatro décadas liderados por movimentos sociais e políticos progressistas para consolidar e expandir a democracia no Brasil.

Confira matéria completa Clique aqui

Com informações da Carta Capital