Denúncias de violência policial se intensificam na cidade de Petrolina – PE

Relatos e denúncias de violência policial contra cidadãos e cidadãs comuns tem chamado a atenção nas redes sociais neste último mês em Petrolina, sertão de Pernambuco.

O que poderia ser considerado a efetivação do direito constitucional de transitar livremente com segurança, tem se revelado para alguns cidadãos um risco iminente, o qual leva a refletir  sobre a atitude de alguns policiais dentro da corporação que é constituída especificamente para garantir a segurança da população. Ao que parece alguns destes homens fardados estão se achando no direito de fazer julgamentos sobre as pessoas e até mesmo agredi-las como se não houvesse nenhuma lei que os subordinasse a um julgo superior ou os disciplinasse diante da conduta exigida para exercer tal função.

Foto: UESPE

Um caso recente ocorrido no início deste mês é o da estudante Camila Roque e mais duas militantes da UJR que foram covardemente agredidas por policiais militares em Petrolina, as quais durante a abordagem, os PMs além de esconderam suas identificações, sacaram armas contra as mesmas e agrediram Camila com um soco no rosto apenas por portar um livro com conteúdo político. Matéria aqui pontocritico.org

Outro caso se deu semana passada na ocupação denominada Vila da Fé – bairro João de Deus – quando testemunhas afirmaram que  policiais disparam tiros contra um suspeito em meio a barracos de madeira e taipa colocando em risco a vida dos moradores do local.

O mais recente, ocorrido neste domingo (24), no bairro Rio Corrente – espaço Céu das Águas – o grupo Cia Biruta de Teatro, convidados e população local, comemoravam  o fechamento de atividades realizadas pela entidade, quando segundo testemunhas, um policial em uma motocicleta adentrou o local se dizendo na perseguição de um suspeito o qual foi abordado, revistado e o policial não encontrando nada acelerou a moto novamente no local e ao ser repreendido pelos organizadores do evento, vendo que estava sendo filmado por uma jovem estudante tentou tirar seu celular sendo que a mesma resistiu e foi agredida na frente dos participantes que tentavam impedir o descontrole do PM. o mesmo chamou reforços e truculentamente agrediram artistas, estudantes e até um vereador participante do evento que ao tentar defender as vítimas foi agredido e conduzido a Delegacia. Ainda segundo informações, apenas os detidos fizeram exames de corpo delito e logo após serem ouvidos foram liberados. Matéria completa aqui

Todos os casos envolve policiais do 2° BIESP e diante disto parece haver uma certa apatia por parte do comando em apurar os fatos, restando a população apenas cobrar das autoridades competentes investigação e punição aos culpados evitando violações que nos remetam a um Estado policial onde a população tenha que viver com medo e sob total julgo daqueles que deveriam proteger cidadãos e cidadãs.

Organizações, entidades e movimentos sociais emitiram nota repudiando a ação desmedida da polícia e cobrando punição aos agressores, denunciando o racismo institucionalizado,  especialmente por se tratar de violações contra pessoas negras e moradores das periferias de Petrolina.

Atualizado 26/11/2019

Acompanhe no video: